Fale conosco: (11) 3090-2360 SP (21) 3090-9272 RJ (51) 3729-8500 RS contato@imobiliariaplus.com.br

2016 será um bom ano para comprar imóveis

Para mostrar qual será a temperatura do mercado imobiliário brasileiro em 2016, EXAME.com conversou com alguns especialistas, que responderam, entre outras questões, se o ano será bom para o comprador ou para o vendedor; se os preços dos imóveis estarão com descontos; e se os juros dos financiamentos estarão altos.

Confira os resultados a seguir e fique por dentro das principais tendências do mercado para o ano que se inicia.

Com os fortes indícios de que a crise econômica deve se manter em 2016, o mercado imobiliário deve ter outro ano de baixa atividade.

Apenas para citar alguns dados de 2015, de janeiro a setembro deste ano os lançamentos de imóveis no Brasil sofreram queda de 24% e o número de vendas caiu 7% em relação ao mesmo período de 2014, segundo pesquisa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, consolidada pelo Secovi-SP.

A cidade de São Paulo deve registrar uma queda de 38% nos lançamentos de imóveis, passando de um saldo de 33.955 unidades lançadas em 2014, para 21 mil em 2015, segundo dados do Secovi-SP. As vendas também devem sofrer redução de 20%, passando de 21.756 unidades comercializadas em 2014, para 17.300 em 2015.

Claudio Bernardes, presidente do Secovi-SP, acredita que a situação continuará ruim, mas tem chances de ser menos dramática do que neste ano. "O mercado imobiliário está vivendo uma hemorragia aguda e o quadro é tão grave que, apenas se parar de sangrar, já melhora muito", afirma.

Em sua visão, no entanto, para que essa "hemorragia" seja ao menos estancada, uma solução para o impasse político precisaria começar a ser desenhada no começo do ano. "Enquanto não tivermos um norte, a situação continuará como está", diz Bernardes.

João da Rocha Lima, professor titular de real estate da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), diz que não é possível saber, ao menos por ora, quando a crise política se encerrará, mas se isso ocorrer no começo do ano, o mercado imobiliário deve se recuperar a partir do segundo semestre de 2016.

"A recuperação será tão mais curta quanto mais rápido os agentes econômicos recuperarem sua confiança. Se o impasse político se resolver logo, o mercado volta, ainda que lentamente, no ano que vem. Caso contrário, a demanda reprimida continua e 2016 será um desastre", diz Rocha Lima.

Ele acrescenta que o mercado imobiliário depende de dois fatores principais para crescer. O primeiro é a confiança do comprador sobre o futuro da economia, fator crucial para que ele se sinta confortável para destinar sua poupança ao imóvel. "A família precisa acreditar que esse valor não será necessário, já que a recomposição da poupança demora muito, de oito a dez anos", diz.

O segundo fator é a confiança de que a renda não vai cair, já que para comprometer entre 25% e 30% do orçamento com o financiamento, por um prazo de 30 anos, o comprador precisa ter confiança de que seu emprego se manterá intacto. "Se esses fatores não tiverem presentes, a demanda não se anula, mas se reprime", diz.

Fonte | Data: 06/01/2016

 

(11) 3090-2360 SP (21) 3090-9272 RJ (51) 3729-8500 RS

contato@imobiliariaplus.com.br

Atendimento de segunda a sexta das 9h as 17h

© 2017 Imobiliária Plus — Site para Imobiliárias e Corretores de Imóveis